quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Feliz ano novo!

Um feliz ano novo a todos !

Que 2010 nos traga novos e melhores desafios!

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

As pérolas do ENEM

Eu sei que pode parecer preconceituoso e até mesmo arrogante, mas, por favor, rir um pouquinho não mata ninguém. E este fim de ano chuvoso tem andado muito chato pô!
Então, vamos parodiar o Rafael Galvão, com um comentário extraído do blog do Nassif: As alegrias que o ENEM nos dá!

Douglas Otaviani Tôrre disse:

Desculpe o comentário fora do tema deste post,mas é que recebi um email e é um assunto deveras divertido para outro post :

As pérolas do ENEM 2009

O tema da redação do Enem 2009 foi Aquecimento Global, e como acontece todo ano, não faltaram preciosidades. Lá vão:

1) “o problema da amazônia tem uma percussão mundial. Várias Ongs já se estalaram na floresta.” (percussão e estalos. Vai ficar animado o negócio)

2) “A amazônia é explorada de forma piedosa.” (boa)

3) “Vamos nos unir juntos de mãos dadas para salvar planeta.” (tamo junto nessa, companheiro. Mais juntos, impossível)

4) “A floresta tá ali paradinha no lugar dela e vem o homem e créu.” (e na velocidade 5!)

5) “Tem que destruir os destruidores por que o destruimento salva a floresta.” (pra deixar bem claro o tamanho da destruição)

6) “O grande excesso de desmatamento exagerado é a causa da devastação.” (pleonasmo é a lei)

7) “Espero que o desmatamento seja instinto.” (selvagem)

8) “A floresta está cheia de animais já extintos. Tem que parar de desmatar para que os animais que estão extintos possam se reproduzirem e aumentarem seu número respirando um ar mais limpo.” (o verdadeiro milagre da vida)

9) “A emoção de poluentes atmosféricos aquece a floresta.” (também fiquei emocionado com essa)

10) “Tem empresas que contribui para a realização de árvores renováveis.” (todo mundo na vida tem que ter um filho, escrever um livro, e realizar uma árvore renovável)

11) “Animais ficam sem comida e sem dormida por causa das queimadas.” (esqueceu que também ficam sem o home theater e os dvd’s da coleção do Chaves)

12) “Precisamos de oxigênio para nossa vida eterna.” (amém)

13) “Os desmatadores cortam árvores naturais da natureza.” (e as renováveis?)

14) “A principal vítima do desmatamento é a vida ecológica.” (deve ser culpa da morte ecológica)

15) “A amazônia tem valor ambiental ilastimável.” (ignorem, por favor)

16) “Explorar sem atingir árvores sedentárias.” (peguem só as que estiverem fazendo caminhadas e flexões)

17) “Os estrangeiros já demonstraram diversas fezes enteresse pela amazônia.” (o quê?)

18) “Paremos e reflitemos.” (beleza)

19) “A floresta amazônica não pode ser destruída por pessoas não autorizadas.” (onde está o Guarda Belo nessas horas?)

20) “Retirada claudestina de árvores.” (caráulio)

21) “Temos que criar leis legais contra isso.” (bacana)

22) “A camada de ozonel.” (Chris O’Zonnell?)

23) “a amazônia está sendo devastada por pessoas que não tem senso de humor.” (a solução é colocar lá o pessoal da Zorra Total pra cortar árvores)

24) “A cada hora, muitas árvores são derrubadas por mãos poluídas sem coração.” (para fabricar o papel que ele fica escrevend asneiras)

25) “A amazônia está sofrendo um grande, enorme e profundíssimo desmatamento devastador, intenso e imperdoável.” (campeão da categoria “maior enchedor de lingüiça”)

26) “Vamos gritar não à devastação e sim à reflorestação.” (NÃO!)

27) “Uma vez que se paga uma punição xis, se ganha depois vários xises.” (gênio da matemática)

28) “A natureza está cobrando uma atitude mais energética dos governantes.” (red bull neles – dizem as árvores)

29) “O povo amazônico está sendo usado como bote expiatório” (ótima)

30) “O aumento da temperatura na terra está cada vez mais aumentando.” (subindo!)

31) “Na floresta amazônica tem muitos animais: passarinhos, leões, ursos, etc.” (deve ser a globalização)

32) “Convivemos com a merchendagem e a politicagem.” (gzus)

33) “Na cama dos deputados foram votadas muitas leis.” (imaginem as que foram votadas no banheiro deles)

34) “Os dismatamentos é a fonte de inlegalidade e distruição da froresta amazonia.” (oh god)

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal!


















Embora, por costume, me sinto triste no Natal, este ano, dados os inúmeros sucessos do país em todos os sentidos, não posso deixar de me rejubilar com o Brasil e o povo brasileiro. Que no próximo ano consigamos todos nós realizações maiores e mais ambiciosas ainda.

E como disseram que 2010 é ano de Xangô, que é o regente do papai aqui, quem sabe não consigo construir minha casinha?

A todos que aqui aportarem ou que apenas passarem atraídos por alguma luzinha ou um mero e pequenino toque, meus sinceros votos de um fim de ano harmonioso e um novo ciclo com mais amor no corpo.
Amém!

Porque o amor não está só no coração, mas em cada átomo, em cada célula e em cada hélice de nosso DNA.

Feliz Natal !

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Bye-bye sala de aula!

Calmaê!
Ainda não me livrei do pesadelo, mas é que hoje fui à escola pela última vez este ano. Agora só em fevereiro de 2010: _À plus les enfants!
Até lá muita água vai rolar. Espero resolver a questão da casa e, quiçá, conseguir passar alguns dias na praia, podendo apreciar alguns biquinis, tomar uma cervejinha, comer um peixinho e, ah..., aquela aguinha de coco. Hummmm!
Vamo vê!

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Câncer entre Gêmeos e Marte e Leão...

O snapshot de hoje à noite de 22 para 23 de dezembro, aqui em Belo Horizonte, que sobre naturalmente, não está sendo castigada pelas águas, mostra a constelação de Câncer com suas várias galáxias em sequência, como na foto onde perfilam-se do alto-esquerdo ao baixo-direito, sim?
Câncer.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

PBH ou como eximir-se de suas obrigações

Este texto caiu no último concurso para professores da rede de ensino de Belo Horizonte. O autor, Gustavo Ioschpe é colunista da Veja e "especialista" em Educação. Filho de banqueiro, o rapaz só estudou em colégios particulares e no exterior. Mas vejam como ele entende de educação popular. Para Ioschpe, só os professores são agentes da educação. Não existe a centralização estatal que formula as políticas públicas. É assim que a prefeitura de BH se apropria da educação. Toda a carga e responsabilidades para os infantes, nós. O prefeito e seus asseclas são mero detalhe. A questão da educação é uma questão de mercado, o qual irá, mais cedo ou mais tarde, resolvê-la. Em outras palavras, é professor quem quer. Quem estiver achando ruim que procure outra coisa para fazer. É simples.

Gustavo Ioschpe
[1] Seu filho vai ser operado do rim em um hospital público e, em vez disso, lhe operam o
fígado. Erro médico grosseiro. “Não venha colocar a culpa em mim!”, diz o médico. “Ganho
um salário miserável, faço plantão em dois hospitais. Estou fazendo um curso de
especialização porque amo essa profissão. É fácil reclamar, mas você não sabe como é
trabalhar em um hospital superlotado, onde faltam leitos e remédios, em que o diretor não
está nem aí. Sem falar nos governantes... E também o seu filho estava tão mal nutrido e mal
cuidado que o rim dele estava com a maior cara de fígado. Com uma conjuntura dessas,
como você pode reclamar do resultado da operação?! Exijo respeito!”
[2] Se eu encontrasse um médico desses na minha frente, provavelmente lhe arrancaria o
fígado e os rins. Não estou muito interessado nas agruras e esforços daqueles que tratam
da minha saúde e dos meus familiares. Quero apenas resultados.
[3] O caso acima não aconteceu. É apenas um símile da educação brasileira, que não é
apenas ruim ou digna de país subdesenvolvido: é uma das piores do mundo. E seus artífices
são principalmente os professores, assim como na saúde são os médicos. Mas, no campo
da educação, as críticas são rebatidas com um movimento-reflexo de culpabilização de
terceiros.
[4] A aula não dá certo porque o aluno é indisciplinado e preguiçoso, os pais são pobres e
burros. Não ocorre que o aluno possa ser dispersivo e desinteressado porque não é
comprometido, porque se interessa por muitas coisas menos por levar a sério o seu
processo de aprendizagem, porque ele recebe um ensino ruim, porque o professor usa
dinâmicas pedagógicas enfadonhas e atrasadas e frequentemente tem baixo domínio do
conteúdo. Quando essas possibilidades são aventadas – e, em realidade, são mais do que
possibilidades: são verificadas em vários estudos, pesquisas e censos - o professor culpa a
tudo e a todos pelo fracasso escolar, e ainda indigna-se que alguém que não dá aula tenha
a pachorra de colocar o dedo na ferida.
[5] O professor de colégio público, por exemplo, é um servidor público e deve sim
satisfações a quem paga o seu salário por meio de impostos e delega ao magistério uma
tarefa cujo resultado também tem fortes conotações públicas, que é a formação das
gerações futuras. A sociedade brasileira começa a acordar para o desastre que é a nossa
educação e o comprometimento dos nossos estudantes. Começa a entender que melhorá-la
significa requalificar os professores, exigir resultados, interferir nos currículos de cursos de
2
Pedagogia e Licenciaturas, que os materiais didáticos sejam usados, exigir diretores
competentes, demandar que a carga horária e a disciplina sejam cumpridas, que
professores não faltem e não se atrasem e sejam rigorosos com os alunos que tratam as
aulas com descaso e desdém.
[6] O professorado, demais profissionais da Educação e estudantes podem e devem ser
grandes aliados nessa batalha, mas só serão parceiros quando notarem que a Educação
brasileira não vai bem e que, em muitos casos, eles não desempenham bem os seus papéis.
Nesse momento, tenho certeza de que todos os brasileiros de bem darão as mãos aos
professores e construirão um sistema de ensino melhor, junto. Enquanto persistirem,
professores e alunos no seu auto-engano, na sua impermeabilização frente à realidade, a
sociedade os perceberá cada vez mais como o médico do exemplo acima, e todos nós
continuaremos pagando o pato.
(Texto adaptado – revistaeducacao.uol.com.br/textos/2007)

Aqui , aqui e aqui para saber um pouco mais sobre quem é G. Ioschpe.

Eu, quando anulei meu voto na última eleição para BH, não me enganava. Márcio Lacerda, Aécio Neves, sucateamento da educação (se é que isso ainda é possível) e dos serviços essenciais, Veja, Folha de São Paulo. Dessa turma não sai coisa boa, podem crer.

domingo, 20 de dezembro de 2009

De como esqueceu-se a mãe...

Musa e Cítara. Aqui.

e as responsabilidades.

Da amizade entre as mulheres,

ou de como as mulheres se esqueceram das antigas escolas,
como de Mitilene,
ou de
onde estão as amigas?

Dizem-se amigas... Beijam-se... Mas qual!
Haverá quem nisso creia?!
Salvo se uma das duas, por sinal,
for muito velha, ou muito feia...

Mário Quintana

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

provérbios gregos e latinos


















Afrodite e os erotes. Aqui.

Ἐξ τοῦ εἰσορᾷν γίνεται ἀνθρωποις ἐρᾷν.

Ex aspectu homnibus nascitur amor.

De se olhar para dentro nasce o amor.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Continuidades






















Aion (em grego Αἰών) - Divindade que personifica o tempo. Eon em português. Original.

Um poema do mestre Whitman para a desejada mudança que caminha.

Continuidades

Nada nunca jamais está perdido
ou pode ser perdido:
nenhuma forma, identidade, nascimento,
nenhum objeto do mundo,
nem vida ou força ou qualquer coisa visível;
não devem as aparências deter
nem a esfera em mudança confundir
o seu cérebro.
Amplos são o espaço e o tempo, amplos os campos da Natureza.
O corpo lerdo, envelhecido, frio
_ brasas restantes de antigos fogos,
esmaecida luz nos olhos _
há de outra vez flamejar como deve;
o sol agora baixo no poente
levanta-se em manhãs e meio-dias
contínuos;
aos canteiros cobertos de gelo
retorna sempre o invisível código
da primavera,
com relva e flores, grãos e frutos
de verão.

(Areia dos setenta anos - folhas soltas - in Folhas das Folhas de Relva - pg. 137 - seleção e tradução de Geir Campos com introdução de Paulo Leminski - Ediouro - 1987)

Entre o sonho e a realidade

Era uma espécie de festa na praia. Uma rave. Havia muita gente de todas as idades. Pessoas bonitas, muitos endinheirados. Eu vagueava por ali com minha sacola onde ia o celular e algumas roupas. Havia belas garotas. Contactei-as algumas. Mas não deu em nada, como sempre. Havia o escorpião. O inimigo que sempre me atrapalhava. Houve uma garota que me levou para sua barraca, deitou-me no colchonete, sentou-se sobre minha barriga e ficamos por ali namorando até o maldito escorpião chegar para atrapalhar tudo. Acho que esse escorpião é minha própria neurose. Brochei e decidi me mandar. Eu sempre fujo quando a situação se complica. Depois era numa parte onde havia ilhas flutuantes que eram também brinquedos de parque de diversão. Carrosséis, balanços, gangorras. Havia o bar flutuante também. E pequenas ilhas para apenas se deitar e tomar sol. Nadei por ali também e passeei entre as aleias em flor. Depois algumas cenas difusas que não me lembro mais. Por fim, apareceu-me um buraco enorme na perna, um pouco acima da canela, como se fora um tomate escaldado. Horrível, dava para ver o tutano do osso. Aí acordei. Eram 4:30 da manhã. Rolei na cama um pouco e adormeci novamente. Não fui trabalhar hoje pela manhã. Mandei a escola e a prefeitura para a puta que as pariu. Estou aqui a escrever sobre o sonho da noite e comendo minha banana seca, porque em seguida, enquanto todos enlouquecem, eu vou fazer uma simples caminhada e aproveitar a primeira manhã de sol em quase três semanas.
Fui!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Trabalhando feito burro e sonhando

Tenho trabalhado muito. E escola me joga quase todo no emocional, fica difícil pensar, refletir. Estou sonhando, plasmando um sítio com um pomar, plantas aromáticas e medicinais.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Provérbios

Σήψει καὶ πέτρην ὁ πολὺς χρόνος.

Consumit lapidem longaevum tempus idemque.

E o longo tempo desgastará a pedra ou

O tempo desgasta a mais dura pedra.

Onde o superlativo traduz a sutileza do contraste entre o tempo e a pedra, que a tradução literal não consegue oferecer, em minha modesta opinião. Fica mais interessante intensificar a dureza da pedra; o tempo, por si só, já é vasto e abstrato por demais. O verbo no futuro também é dispensável. Ao provérbio, me parece, soa melhor o durativo. O tempo não apenas desgastará, mas ele desgasta agora. O tempo não apenas passou, nem só passará; ele está passando. Ele está, agora, desbastando a dura pedra.

Provérbios

Μῦς εἰς τρώγλην οὐ χωρῶν, κωλοκύνταν ἔφερεν.

Mus cum antro suo non caperetur etiam cucurbitam ferebat.

O rato não volta para casa sem ao menos uma lasca da abóbora.

domingo, 29 de novembro de 2009

provérbios gregos e latinos






















Zeus como touro e Europa. Aqui.

O velho leão é maior que os vigores da juventude.

Γῆρας λεόντων κρεῖσσον ἀκμαίων νεβρῶν.

Leonon senectus melior juvenibus hinnulis.

sábado, 28 de novembro de 2009

provérbios gregos e latinos

























Ἀδικεῖ τοὺς ἀγαθοὺς ὁ φειδόμενος τῶν κακῶν.

Injuria probos afficit, qui malis parcit.

Quem protege os maus os bons prejudica.


Mas quem protege os bons
os maus prejudica.
E é a minha homenagem de hoje ao Lula!

sábado, 21 de novembro de 2009

E a educação, ó, top, top, top...

Ontem tive um debate acalorado com alguns professores lá na escola. Um grupo de cinco ou seis se uniu para defender a tese de que o bolsa família era um programa para sustentar vagabundos. Utilizaram essa expressão mesmo: vagabundos. É impressionante como as pessoas conseguem permitir que a televisão e os jornal(ões)? substituam a sua experiência concreta por uma opinião alheia e reacionária como essa. Uma professora, com o discurso de que ela sempre foi pobre ( a família veio do vale do jequitinhonha) mas trabalhadora, e os que recebem os setenta ou oitenta reais do bolsa família são vagabundos, quando lhe disse que ela não tinha ascendência na senzala, e que portanto não podia fazer essa comparação, cinicamente me respondeu: _ Como você sabe que eu não tenho o pé na senzala?!
Ela é branca dos olhos verdes...
Essas pessoas odeiam o povo. São educadores, convivem com as crianças diariamente, mas não conseguem fazer uma reflexão honesta do porquê os meninos e as meninas são difíceis como são. Não conseguem entender que a responsabilidade por terem na mão a batata quente de educar pessoas advindas de uma condição social sub-humana é delas mesmas; ninguém as obrigou a serem educadores. Que o estado é ausente e que quem produz a política educacional é incompetente ou perverso eu não tenho dúvidas. Mas culpar o povo que nunca teve acesso aos direitos individuais e coletivos mais básicos, como à saúde e à educação, de ser vagabundo é reproduzir tolamente as bobagens que escutam na televisão de reacionários como o Arnaldo Jabour ou a Míriam Leitão.
Essa sim é uma das causas de recebermos maus salários. Há, entre nós, pessoas muito pequenas.
É por isso e por outras mumunhas mais que o meu grande sonho, agora na vida, é largar a educação. Talvez comprar uma terrinha, ir viver da agricultura e deixar para outros a ingrata tarefa de ser professor. O paradigma da educação no mundo está falido e não serei eu que vou mudá-lo. É um buraco negro de onde não sai mais nada.
Só mesmo uma revolução.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

O céu de hoje
















Tritão

Agora à noite o céu aqui em casa está muito limpo e bonito. Não há lua. Pude ver as Plêiades com bastante clareza, mesmo com uma ligeira tremedeira de meu Nikon 10 x 50. Com um telescópio, uma de suas estrelas, a que fica logo à esquerda de Alcione, revelaria a nebulosa que realmente é. Localizei, também, Áries e Peixes. Júpiter está muito brilhante e os quatro satélites facilmente perceptíveis. Se tivesse o tripé poderia distinguir os anéis. Mais Canopus, Sírius, Aldebarã. A alfa piscium, Alrisha, é azulada. Também é uma binária. Ambas, com massas pouco maiores que o nosso Sol. Ficam a 139 anos-luz da Terra.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

E a educação, ó, top, top, top...




















Chiron e Aquiles

A prefeitura de Belo Horizonte que, a cada 15 minutos, faz uma propaganda nas principais rádios da cidade, diariamente, se auto-elogiando em relação à educação, afirmando que nunca se investiu tanto em educação como neste atual governo. Hãhã....eu que estou bem lá no meio que o diga.
Hoje mesmo eu sei que eles estão aflitos porque a previsão de reprovação para este ano está, em algumas escolas, chegando a quase 80% dos alunos. Há um contra senso nisso aí vocês não acham? Se há um investimento como nunca se viu, por que tanta reprovação? Deveria ser o contrário!
O que há, meus amigos, é muita propaganda.
Mas vou transcrever aqui um fato ocorrido há alguns dias e que tirei do jornalzinho da ASSEMP (Associação dos servidores municipais da prefeitura de Belo Horizonte):

Servidora foi suspensa depois de solicitar ao prefeito informações para cumprimento do ACPATE
A Corregedoria Geral do Munciípio de Belo Horizonte aplicou uma suspensão de cinco dias a uma professora da Escola Muncipal Professor Paulo Freire, na região Norte da capital. Em atitude arbitrária, a servidora teve que ser transferida de escola faltando menos de três meses para o fim do ano letivo. A suspensão foi motivada porque a professora, juntamente com seus colegas de trabalho, solicitou ao prefeito Márcio Lacerda informações sobre como cumprir suas obrigações de planejamento, estudo e acompanhamento de estudantes, previstas no ACPATE (Atividas coletivas de planejamento avalaiação do trabalho escolar), já que o tempo desses profissionais fora de sala de aula é sempre escasso.
A resposta obtida pela professora ao ofício enviado ao prefeito foi a abertura de um processo administrativo por insubordinação, que resultou na punição de cinco dias de suspenção de salários e a transferância de escola. Diante disso, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública de Belo Horizonte (Sind-REDE/BH) designou um advogado para acompanhar o caso e consegiu, na 2ª Vara da Fazenda Municipal, liminar que suspende as punições até a decisão final da justiça.
Para o advogado, que acompanha o caso, Eduardo Machado, a corregedoria agiu de forma punitiva e não corretiva, como seria o adequado. "Há uma resguarda através do próprio estatuto do servido", comenta o advogado. A professora continua dando aulas na escola, e está aguardando julgamento do recurso administrativo, enquanto o advogado mantém o mandado de segurança.

Agora, convenhamos, que advogado-zinho hein! O certo então era agir corretivamente?
Vamos ficar esperando a resposta do prefeito à questão levantada pela valente professora.
Mas a gente sabe que não virá, não é?

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

provérbios gregos e latinos

Κακὸν ἄγγος οὐ κλᾷται.

Malum vas non frangitur.

Vaso ruim não se quebra.

domingo, 15 de novembro de 2009

Atualizando o blog















Peguei até o fim do ano a vice-direção da escola. A colega está afastada. Tenho andado sem tempo para o blog que já não é lá muito dinâmico. Às noites estreladas tenho me divertido com um binóculo. Ontem pude ver a nebulosa do Órion, que aqui no hemisfério sul, atira suas flechas de cabeça para baixo. Reconheci Sírius e Canopus, as duas estrelas mais brilhantes do firmamento, Betelgeuse, Rigel e Belatrix no mesmo Órion, Aldebarã e as Plêiades (com a linda Alcione em torno da qual as demais giram incluindo aí, creiam, o nosso sol) em Touro - a constelação da primavera no hemisfério sul. Capela, de luminosidade muito vermelha, na constelação do Auriga, é, na verdade, uma estrela quádrupla. O pessoal do espiritismo fala muito dessa estrela. Marte também estava bem visível. Agora tenho curtido essas coisas. Outra coisa que me divertiu um pouco foi o telefonema que recebi, na escola, da Folha de São Paulo. A operadora queria me vender uma assinatura de material didático para educadores. Mui educamente tive que lhe dizer que não me identificava com a linha ideológica do grupo Folha, mas que ela mandasse a propaganda para o e.mail da escola porque outros podiam pensar diferente de mim. Ela nem tentou argumentar.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Sapho vivificando o blog























Que as deusas e os deuses permitam que
o verão tenha noites assim:

Outra vez as estrelas, em torno
à Lua bela, ocultam
suas luminosas figur[inhas] .
[Isto acontece toda vez que]
Ela, toda cheia,
no auge [do firmamento]
vai prateando
a [obscura] Terra.



segunda-feira, 26 de outubro de 2009

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Da série: A oposição não quer...

Mas você imagina...que se dependesse da oposição, [eu, a gente] não fazia o primeiro, não faria o segundo, e ninguém faria nada, porque o que a oposição quer é que o país pare para que ela possa ter razão...!
E o que a situação quer é trabalhar mais para não dar razão à oposição.
O dado completo é que eles tiveram uma chance de fazer e não fizeram!
E nós estamos fazendo.



Mais no blog do Planalto.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

provérbios gregos e latinos






















Νεφέλας ξαίνεις.


Nebulas caedis.

Cardas nuvens.

Miguel Apostólico, século 15


Transcrição livre.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

A elite e o Povo






















(Gustave Moureau - Prometeu)


Mike Lee, marqueteiro do comitê Rio-16 diz em entrevista ao jornal paulistano Folha de S.Paulo que participação do presidente Lula foi crucial para triunfo da candidatura da cidade carioca como sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

É lamentável a posição do repórter tentando fazer com que o entrevistado faça alguma declaração contrária à vitória do Rio para sede das olimpíadas 2016.

Leia aqui, no Vermelho.

Às vezes eu gostaria de que essa revolução que está em curso no Brasil fosse mais dramática, que houvessem mais fatos dignos de serem transcritos em livros e nos romances históricos. É um tanto insosso assistir à triste, lenta e decadente derrota da elite brasileira face ao povo e à história. Uma derrota quase surda. Mas talvez não seja assim tão morna essa mudança e o que nos falta, ou a mim em particular, é um simples afastamento. Um exercício de distanciamento dos fatos, uma reflexão mais abstraída do tempo/espaço em que estamos mergulhados.
O nacionalismo exaltado pode se tornar em crime de lesa-humanidade como na Alemanha nazista, mas nem sempre assim o é. Eu sempre torci muito para que o Brasil saísse de sua condição servil e evoluísse para o que vem se tornando hoje: Um país protagonista da nova ordem mundial. E, seja lá o que isso venha a significar, eu também torço para que seja positivo, para que seja uma coisa boa para a humanidade.
Mas é triste essa gente, que sempre governou o país com desdém pelo povo. Agora ficam torcendo contra. Deve ser muito estranho não se identificar com a língua mátria. Será que quando a gente ganha uma copa eles se regojizam? Talvez nem isso. O que será feito dessa gente, hein?

provérbios gregos e latinos






















(Watts, George Frederick - O Minotauro 1885)


Ὀυκετ' ἐμὸν τὸ πρᾶγμα· παλλὰ χαιρέτω.


Res non mea est nunc amplius: valeat diu.

Dilemas para mim não mais: parti-vos para sempre.

Amália Rodrigues



Ontem fez dez anos que morreu Amália Rodrigues. Gosto de Amália e do fado.

Imagens da agricultura

















(Aracy - Colheita de laranjas)

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

20 anos depois...

A geopolítica foi mudada, e com ela e junto dela todo o magnetismo do planeta. Eu estou feliz pacas! Yes, we créu! Muitos ajudamos a realizar isso. Eu sei lá!...fomos nós.

O despertar do gigante






O gigante adormecido: 20 km de montanhas. Os pés, o Pão de Açúcar, a cabeça é a Pedra da Gávea.


Viva o Rio de Janeiro!
Viva o Presidente Lula!
Viva o Brasil!
Viva o povo brasileiro!

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

E a educação, ó, top, top, top...

















(A foto aí é de uma escola que já dei bye-bye, fica em Contagem. Mas calma, amigos, que esse é o lado de fora do muro. Uma pena é que os urubus não quiseram posar para a fotografia)

Enquanto o Lula resolve socializar a banda larga para todo o Brasil, visando em particular os mais pobres, os computadores das escolas de Belo Horizonte não funcionam. Quer dizer, a gente os liga, eles operam sobre uma plataforma linux - que é legal pois é um software livre e não se tem que mandar royalts para a Microsoft - mas se você quiser um computador razoavelmente funcional, esqueça! A internet é lentíssima e, frequentemente, gasta quase dois minutos para abrir a página inicial do google. Neste, a gente consegue operacionalizar as buscas, mas se você quiser abrir o gmail, esqueça também, o linux instalado não está configurado para tanto. A gente que entende um pouquinho do assunto fica se sentindo inútil, pois não temos autorização para fazer uma simples atualização do firefox. Vídeos? Kakakakaka...E a coisa segue.
Hoje, fomos obrigados a abdicar de duas aulas para aplicarmos uma prova de avaliação da prefeitura. Fomos, não, porque me recusei e conquistei o direito de dar a minha aula. Aplicar é a palavra errada. A prefeitura contratou pessoas de diversas áreas de trabalho, muitos desempregados, para aplicar a prova. Nós, os professores, éramos obrigados a ficar em sala junto com eles para "manter a disciplina". Essas pessoas, naturalmente futuros eleitores, ganharam mais do que a gente como professor ganha por aquela hora de trabalho. O desrespeito, o descaso e o desprezo por nós é assim, descarado. Eles é que se ferram com isso. Eu vou tirar o meu da reta. Mais cedo ou mais tarde eu vou. Eles vão continuar perdendo os bons professores. Mas estão se lixando. É tudo uma farsa. A mídia comprada fala das ações e dos programas de educação e saúde da prefeitura (gastam fortunas em publicidade) e, ao mesmo tempo, fala mal de médicos e professores. Esses programas são INÚTEIS meus amigos, croyez-moi! É tudo uma farsa...
E se o povo acredita, tem o que merece. Agora, eles, os burocratas, professores que conseguiram 'escapar' da sala-de-aula para trabalharem na administração, por indicações políticas, resolveram embargar os projetos da escola por pequenas irregularidades na documentação, como falta de um CPF ou de um comprovante de endereço. Ao invés de acompanharem, de fato, o desenrolar dos projetos, como devem ser as suas obrigações, preferem mandar um documento embargando o nosso trabalho todo. Vocês não imaginam o desânimo que isso nos causa. Tudo para por causa de detalhes. Alguma semelhança com o que está acontecendo com as obras do PAC não é mera coincidência. O estado liberal que governa BH hoje não está nem aí para o povo, sua educação ou sua saúde. O Sr. Márcio Lacerda, cupincha do governador, no primeiro mês de seu mandato, se deu um saboroso aumento de 23%. Nos meus oito anos de magistério, se somar todos os aumentos que tive, não chegou a tanto. Enquanto isso, na escola, falta muita coisa. Esses projetos sobre os quais me referi, um deles é meu. Isto é, me pediram que o desenvolvesse e o coordenasse. Tenho que fazê-lo fora do horário de trabalho. Os horários que tenho livres de sala-de-aula é para planejar e corrigir trabalhos dos alunos. Tenho nove salas, aproximadamente trezentos alunos. É responsa minha gente...Mas tenho que ir para sala-de-aula nesses tempos para substituir professores que estão de licença médica e que não são poucos. A professorada vai surtando. A barra é pesada. Não recebo um centavo a mais para desenvolver e coordenar esse projeto que é para fazer um grafitti nos muros externos da escola com os alunos adolescentes que não entendem bulufas de desenho e pintura. E isso só em quinze horas aulas. Mas vamos indo...
Os professores-burocratas apadrinhados do atual governo (e os havia nos anteriores também) não querem e não aparecem nas escolas para nos ajudar. Logo eles que são os que decidem a política educacional do município. Não a principal, a verdadeira, que não sou bobo de pensar que os baixos escalões decidem o essencial, mas os micro programas e projetos de ensino que são implementados no sistema de ensino ao longo dos anos. Essas pessoas jamais poderiam tirar o pé da sala-de-aula. Mas a coisa vai indo...
Pode tardar ainda um pouco, mas essa prefeitura de BH também vai perder a minha boa e sagrada energia.

Astrólogo da grande mídia prega a ausência do estado na economia














O astrólogo Quiroga, que publica suas excelentes análises de astrologia nos principais jornais brasileiros, vem incorrendo, ultimamente, no erro crasso e histórico de confundir as liberdades da chamada era de aquário com a liberdade do capital. Tal confusão nasce na raiz do estado liberal de direito e é a fonte do atual modelo neo-liberal que privilegia o capital em detrimento do trabalho.
Quero citar o excelente livro "Direito constitucional descomplicado", da dupla Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino, em sua pg. 109, sobre o direito à liberdade:
"Já se ressaltou que, do lema da Revolução Francesa - liberdade, igualdade e fraternidade -, foi sem dúvida a liberdade o axioma mais encarecido originalmente pelo Liberalismo. Como ideologia da classe burguesa triunfante sobre o Absolutismo, interessa mais aos capitalistas de então a defesa da liberdade negocial do que uma atuação tendente à obtenção de uma igualdade material, efetiva, no seio da sociedade."
O grafado em itálico é meu.

Assim, quero, modestamente, chamar a atenção para que não nos iludamos com os discursos direitistas que, sutilmente, tentam nos fazer acreditar na falácia do deus mercado. Este deus está com os dias contados, assim o espero. Numa outra postagem vou tentar aprofundar mais a questão.

A verdadeira Divindade seja louvada.

Diário


















(Anoitecer no Campos da UFMG visto do prédio da faculdade de letras)

O blog surgiu como necessidade de eu fazer um diário. Com o tempo foi tomando outras direções como os posts sobre o grego antigo, por exemplo. Tenho escrito pouco sobre as coisas mais imediatas de minha vida. Pretendo resgatar isso: Escrever para mim mesmo. As coisas da economia e da política vão continuar como sempre faço: eventualmente. À direita da página, nos links que visito, estão alguns dos melhores blogues sobre as atualidades das questões sociais. Sobre a literatura, que é o que mais remete pessoas ao blog - a postagem sobre Os Miseráveis atrai visitantes diários - teremos que esperar pelo próximo bom livro, que, por sua vez, terá de esperar pela minha aprovação em algum concurso público.
Comprei uma bike e tenho pedalado por aí. Mais pelo bairro mesmo e pela Andradas. Como não estou trampando pela manhã, divido uma parte do tempo para pedalar, outra para estudar para os concursos - estou estudando direito constitucional - e outra para as coisas da casa e para as necessidades de minha mãe. Tenho feito alguns exames também. A endoscopia descobriu a gastrite da qual eu já suspeitava e uma hérnia de hiato (é esse mesmo o nome) também no estômago. Vou amanhã fazer um ultrasom do abdômen. Espero que não apareça mais nada. O que tem já é o suficiente. O tratamento é de quatro meses quando terei de me abster de álcool, refrigerantes, café, comidas mais gordurosas e cigarros. Os cigarros eu já os tinha largado, mas o restante...
Vou tentar o unir o útil ao desagradável...hehehe.
Brincadeirinha. O importante é a saúde e me livrar dessas dispepsias.

domingo, 27 de setembro de 2009

provérbios gregos




















Άκουε τὰ ἀπὸ καρδὶας.


Audi quae ex corde dicuntur

Escute o que vem do coração.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

A minha alma estranha















(Sandro Botticelli - Primareva - 1482 - link aqui)



Pois que gosto muito de Bilitis. Se as mulheres gostam dos poetas homens, por que não os homens gostarem das poetisas? Os homens têm medo do feminino. Medo da castração.
Mas Bilitis não existiu realmente. Apenas na alma de um poeta que conhecia como poucos a alma feminina.
Os trovadores galegos-portuguêses gostavam de expressar um eu lírico feminino, que chamavam de "Canções de amigo". Uma hora vou postar algumas dessas poesias aqui no blog.
Gosto de coisas delicadas como os miosótis.

A Chuva

A chuva fina molhou todas as coisas. Bem suavemente e em silêncio. Continua chovendo. Vou passear sob as árvores. Descalça, para não sujar os sapatos.

Deliciosa a chuva na primavera. Os ramos carregados de flores molhadas têm um perfume embriagador. Brilha ao sol a delicada pele dos troncos.

Ai de mim! Quantas flores no chão! Tende pena das flores caídas. Não devemos varrê-las com a lama. Deixemo-las para as abelhas.

Escaravelhos e lesmas atravessam o caminho entre as poças d'água. Não quero pisá-los, nem assustar o lagarto, que se espicha, piscando os olhos.

No texto francês original, ao que parece, sem os acentos.

9 -- LA PLUIE
La pluie fine a mouille toutes choses, tres
doucement, et en silence. Il pleut encore un
peu. Je vais sortir sous les arbres. Pieds
nus, pour ne pas tacher mes chaussures.

La pluie au printemps est delicieuse. Les
branches chargees de fleurs mouillees ont un
parfum qui m'etourdit. On voit briller au
soleil la peau delicate des ecorces.

Helas! que de fleurs sur la terre! Ayez
pitie des fleurs tombees. Il ne faut pas les
balayer et les meler dans la boue; mais les
conserver aux abeilles.

Les scarabees et les limaces traversent le
chemin entre les flaques d'eau; je ne veux
pas marcher sur eux, ni effrayer ce lezard
dore qui s'etire et cligne des paupieres.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Momento difícil

Estou meio doente. Isto é, estou doente. Estou fazendo alguns exames para descobrir o que é. São dores no abdômen e enjoos. Talvez seja vesícula, mas, de fato, ainda não sei o que é. Tenho que fazer uma horrível endoscopia e um ultrasom. Vamos ver no que vai dar. Peneirando tudo acho que ainda quero ficar por aqui.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

A dança e eu

Há algum tempo decidi voltar a frequentar uma sala de forró. Pois ontem cheguei até à porta de uma mas não saí do carro. Faz oito anos que não chacoalho os ossos. Fiquei travado. Vou tentar de novo.

domingo, 20 de setembro de 2009

Bilitis




















(Nêmesis - imagem original aqui)

Esse livro é todo maravilhoso. Foi escrito pelo poeta francês Pierre Louys lá pelos últimos anos do saudoso, do ponto de vista literário, século dezenove. São as canções de Bilitis, que seria uma poeta e contemporânea da também poeta (a maior segundo os próprios gregos) Sappho de Lesbos. Bilitis nasceu na Pamphylia, região da Anatólia, ou Ásia Menor, entre a Lícia e a Cilícia, espremida entre o Mediterrâneo e o Monte Taurus. Era filha de um grego e de uma fenícia. Ouçamos o próprio Louys:

"Levantava-se de manhã, ao cantar do galo, dirigia-se ao estábulo, levava os animais ao bebedouro e ocupava-se da ordenha. Durante o dia, caso chovesse, ficava no gineceu a fiar na roca sua lã. Se fazia bom tempo, corria pelos campos, divertindo-se com as companheiras em mil jogos, de que nos fala.
Bilitis cultivava uma ardente piedade com relação às ninfas. Destinavam-se à sua fonte os sacrifícios que quase diariamente oferecia. Não raro, lhes falava, mas parece que nunca chegou a vê-las, pois relata com veneração em suas memórias o caso de um velho que um dia as surpreendera.
O fim de sua existência bucólica foi entristecido por um amor sobre o qual pouco sabemos, embora dele fale longamente. Deixou de cantá-lo assim que se tornou infeliz. Dando à luz uma criança, que abandonou, saiu Bilitis, por misteriosas razões, da Pamphylia, para nunca mais rever o lugar em que nascera."

Alter-ego da poetisa Sappho, de quem difere pela obra completa que nos chegou, Bilitis, de fato, nunca existiu; o poeta a inventou.
Invenção maravilhosa.

No francês original:

3 -- PAROLES MATERNELLES
Ma mere me baigne dans l'obscurite, elle
m'habille au grand soleil et me coiffe dans
la lumiere; mais si je sors au clair de lune,
elle serre ma ceinture et fait un double
noeud.

Elle me dit: "Joue avec les vierges, danse
avec les petits enfants; ne regarde pas par
la fenetre; fuis la parole des jeunes hommes
et redoute le conseil des veuves.

Un soir, quelqu'un, comme pour toutes, te
viendra prendre sur le seuil au milieu d'un
grand cortege de tympanons sonores et de
flutes amoureuses.

Ce soir-la, quand tu t'en iras, Bilito, tu
me laisseras trois gourdes de fiel: une pour
le matin, une pour le midi, et la troisieme,
la plus amere, la troisieme pour les jours de
fete".

Na tradução de MariaJosé de Carvalho:

Palavras Maternas

Minha mãe banha-me no escuro, veste-me em pleno sol e penteia-me à luz da lâmpada. Mas, quando saio ao luar, ata-me o cinto com duplo nó.

E me recomenda: "Brinca com as donzelas, dança com as crianças. Não te ponhas à janela. Foge à palavra dos jovens e teme o conselho das viúvas.

Uma noite, à porta, em meio a grande cortejo de sonoros tímpanos e amorosas flautas, alguém te virá buscar.

Nessa noite, quando te fores, Bilitô, deixar-me-ás três frascos de fel: um para a manhã, outro para o meio-dia e o terceiro, o mais amargo, para os dias de festa".


domingo, 13 de setembro de 2009

A Globo e o Brazil

É assim que a Globo enxerga o Brasil.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

O pré-sal e nós

Do blog do Nassif, um comentário simples e esclarecedor sobre o pré-sal.

08/09/2009 - 07:43

As confusões sobre o pré-sal

Do Último Segundo

Coluna Econômica - 08/09/2009

Há uma confusão generalizada sobre as propostas do governo para o pré-sal.

Vamos tentar colocar um pouco de ordem nessa barafunda.

Sistemas de exploração

Há três sistemas de exploração de petróleo:

Concessão: licita-se uma area, recebe-se o maior valor oferecido e a exploração fica por conta do concessionário.

Partilha: faz-se um leilão e leva quem oferecer o maior percentual do lucro para o Estado.

Serviços: contrata-se uma empresa para prestar serviços para o contratante.

O sistema de concessão é mais adequado em áreas de maior risco de prospecção. Com isso, minimiza-se o risco da União em assumir compromissos de investimento.

Já o sistema de partilha é mais adequado a áreas com menor risco. Primeiro, por permitir maior participação do país nas receitas auferidas. Depois, por permitir um controle maior sobre a produção.

Suponha que haja uma queda brusca na produção mundial. Como exportador de petróleo, interessará ao Brasil segurar a produção. Como poderá definir estrategias se não tiver o controle sobre ela?

Alguns analistas dividiram os países em dois grupos - os adiantados e os atrasados - e constataram que os adiantados recorriam ao sistema de concessão enquanto os atrasados recorriam ao sistema de partilha. A divisão teria que ser outra: entre os países exportadores de petróleo (que recorrem à partilha) e os que usam para consumo interno ( que recorrem à concessão).

O papel da Petrobras

Segundo o projeto do governo, a Petrobras participará com 30% de cada consórcio vencedor. Qual a lógica?

Primeiro, o fato de a Petrobras deter o maior conhecimento mundial sobre a plataforma do pré-sal. Segundo, o fato de, no sistema de partilha, a União receber sobre o líquido. O controle de custos é essencial. E só consegue controlar quem puder participar da operação.

Em uma profícua discussão no meu Blog, alguns analistas sugeriram que a Petrobras estaria incorrendo em riscos enormes ao assumir essa responsabilidade. Não procede. Se haverá consórcios internacionais que bancarão os 70% restantes, presume-se uma dupla avaliação das perspectivas de cada poço.

Ponto relevante é não obrigar a Petrobras a qualquer decisão que não obedeça a critérios econômico-financeiros claros.

O fundo dos fundos

Esse fundo será constituído da parte que a União terá a receber da exploração do petróleo. Existe em praticamente todos os grandes países exportadores de petróleo.

Nos últimos dias houve uma balbúrdia de alguns setores pretendendo que o setor privado também pudesse participar como investidor desse fundo. É uma discussão sem pé nem cabeça. Esse fundo receberá os resultados da partilha do petróleo. E investirá em áreas sociais - educação, saúde, inovação - não em setores de mercado. Qual a lógica de ter participação privada?

Haverá também o fundo soberano, que será constituído com parte dos dólares que entrar para investimentos estratégicos no exterior.

Gestão e definição dos investimentos devem ser da União. Mas tem que haver plena transparência sobre os critérios de aplicação desses recursos.


Depois vou procurar informações sobre os projetos e propostas para que o Brasil possa se estruturar melhor para o beneficiamento do óleo cru a fim de que a gente possa exportar os derivados que valem muito mais.

O pré-sal e eles

A oposição, medíocre classe política, traidora e entreguista, juntamente com seus aliados do PIG, vai tentar, num vale tudo cada vez mais surreal, como soem há séculos fazer, enganar o povo para poder botar a mão no pré-sal. Valerá todo e qualquer argumento, do mais descarado ao mais sutil para fazer crer à sociedade de que a melhor coisa para o Brasil é entregar o pré-sal à exploração estrangeira e de que Lula está enganando o povo mais uma vez.
O povo não mais cairá nessa. A um mundo cansado de mentira e exploração, o nosso exemplo de revolução pacífica, legalmente democrática é mormente importante.
A você que ainda vê TV e lê jornais, cuidado, olhos e ouvidos atentos!
Eles passam os dias elaborando manchetes, matérias e entrevistas para enganá-lo.
Deixemo-los grasnar, azurrar, rosnar e ranger os dentes! Isolemo-los para que se arruínem no próprio ódio e na mesma raiva.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

provérbios gregos e latinos














Les Misérables
- Jean Valjean


Ἀεὶ γεωργὸς εἰς νέωτα πλούσιος

Agricola semper in futurum dives est.

Os que são férteis sempre ao futuro fluem, como os rios...

Miguel Apostólico, seuclo 15

Em português, transcrição livre minha mais do grego que do latim.

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Remoendo

Eu sou professor. Estou em contato diário com a juventude popular brasileira. A maioria é idiota até o osso. Idiota quero dizer não a doença, não o boçalismo natural, mas a idiotia provocada pela falta de educação pura e simples. Falta de educação de berço associada à triste educação que oferecemos em nossas escolas. Eu entendo porque a elite odeia o povo. É por causa dessa idiotia. Qualquer imbecil que faz um comentário estúpido é aplaudido pela turma. Hoje fui tratado com deboche porque expliquei a uma aluna que, se ela lê-se um pouquinho mais, não teria me perguntado se a palavra que escrevi no quadro era eu ou au. Não precisa explicar, né? Uma aluna de oitava séria e de dezesseis anos de idade. Essa gente trata mal quem os quer ajudar. Tem me faltado compaixão.
O bolsa-família precisa considerar o rendimento escolar do aluno. Estar na escola já não deve ser mais o suficiente para receber o benefício. Tem que tirar notas boas. Tem que estudar e parar de considerar a escola mero lugar de recreação.
Rezo para que toda essa história do pré-sal funcione e que esse dinheiro possa ser, efetivamente, aplicado para a elevação moral e cultural do povo brasileiro. Mas tenho lá minhas desconfianças: Trabalho há anos para governos do PT. Gente, de coração, não são muito melhores que a direita! Aprenderam a lição completa. E como muitos dos que estão nos maiores escalões vieram de movimentos populares, sabem por experiência própria as técnicas de engodo e manipulação desses mesmos movimentos populares. Mas vamos dar mais um crédito. O que mais?
Acho que se eu não abandonar logo o magistério vou adoecer.
Obs. Também tem cada professor...

Blog do Planalto

Blog do Planalto trava por causa de congestionamento: 18.000 acessos por segundo no primeiro dia.
Blog do Planalto

domingo, 30 de agosto de 2009

O Petróleo é nosso!



















A descoberta das reservas de petróleo na camada do pré-sal muda radicalmente a posição que o Brasil ocupa no cenário mundial. Mais do que a auto-suficiência, as reservas poderão tornar o país um dos maiores produtores de petróleo.

A novidade coloca o povo brasileiro diante de uma encruzilhada: construir um projeto político de soberania nacional e popular ou continuar sendo fornecedor de riquezas naturais ao capital internacional? Leia e ouça agora os programas da série especial “O petróleo tem que ser nosso”, produzido pela Radioagência NP.

Radioagência Notícias do Planalto

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

provérbios gregos


















(Arte egípcia - cenas de trabalho)


Ὁ κόσμος σκηνὴ, ὁ βίος πάροδος, ἦλθες, εἶδες, ἀπῆλθες.

Mundus scena, vita transitus, venisti, vidisti, abisti.

O palco do mundo, a estrada da vida: vem, vê e vai.

(reunidos e traduzidos para o latim por Apostolius - séc. XV)

terça-feira, 25 de agosto de 2009

"Scuola metafisica"

Um texto de um pintor de quem gosto muito.

O DESEJO DA ESTÁTUA

"Quero estar só a qualquer preço", disse a estátua de olhar eterno. Vento, vento que refresca minhas faces em fogo. E a terrível batalha começou. Cabeças quebradas caíram e crânios brilharam como se fossem de mármore.
Fugir, fugir para a praça e a cidade radiante. Atrás, demônios me chicoteiam com toda força. Minhas pernas sangram horrivelmente. Ah, a tristeza da estátua solitária ali! Beatitude.
E nenhum sol, nunca. Nunca o consolo amarelo da terra iluminada.
Ela deseja.
Silêncio.
Ela ama sua alma estranha. Ela conquistou.
E agora o sol parou, alto, no centro do céu. E em eterna felicidade a estátua mergulha a alma na contemplação de sua sombra.
Há uma sala cujas cortinas estão sempre fechadas. Num canto, um livro que ninguém nunca leu. E na parede um quadro que não se pode ver sem chorar.
Há arcadas na sala onde ele dorme. Quando a noite vem a multidão reúne-se ali com um zum-zum. Quando o calor é tórrido ao meio-dia, ela vai para lá, ofegante, buscando a fresca. Mas ele dorme, ele dorme, ele dorme.
Que aconteceu? A praia estava vazia e agora vejo alguém sentado ali, numa rocha. Um deus está sentado ali, e ele contempla o mar em silêncio. E isso é tudo.
A noite é profunda. Agito-me em minha cama escaldante. Morfeu me detesta. Ouço o som de uma carruagem distante aproximando-se. Os cascos de um cavalo, um galope; o barulho explode e desaparece na noite. À distância uma locomotiva apita. A noite é profunda.
A estátua do conquistador na praça, sua cabeça nua e calva. O sol por toda parte. Por toda parte as sombras consolam.
Amigo, com olhar de abutre e boca sorridente, um portão de jardim te faz sofrer. Leopardo enjaulado, andas pela tua jaula e agora, sobre teu pedestal, na pose de um rei conquistador, proclamas tua vitória.

Giorgio De Chirico

(in Teorias da arte moderna, Chipp, Scuola metafisica, Martins Fontes, São Paulo, 1993)

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Poesia






















Giorgio De Chirico



Partiste
à nova vida rumo.
De comum agora a lembrança.
Vivo mal assim e a criança
está perdida.

Ultrasonografias levam
do peito formas, mas
não revelam teus amores
e, igualmente, nem as dores
se desvelam.

Triste, porém, sempre fico,
o que dizer da vida
plena,...os mistérios?
Hei quê de fazer agora?
_À despedida!

Rápido o fato se faz
e só no tempo haverá
sentido.
Saudade, palavra
de assombrar.
Tenho ido.

sábado, 15 de agosto de 2009

provérbios gregos e latinos

Γῆρας δίδάσκοι πάντα, καὶ χρόνου τριβή.

Senectus, et longa temporis mora docent omnia.

Velhice e longo tempo, professores de tudo.

Em meio às ruínas

sábado, 8 de agosto de 2009

provérbios gregos e latinos

Ὄφις εἰ μὴ φάγοι ὄφιν, δρἀκων οὐ γενήσεται.

Serpens nisi serpentem edat, non fiet draco.

Se a serpente não comer a serpente, não se tornará em dragão.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

A corte

Durante a revolução, a corte de tudo fazia para impedi-la de continuar o seu caminho. Utilizava-se da imprensa e de seus representantes na Assembleia; armava a contra-revolução. A igreja inventou a Vendeia, a aristocracia Valmy. Não houve jeito, a revolução vingou. Imperfeita, mas vingou. Não fossem as armações da corte, não teria havido o 2 de setembro, nem a Vendeia, nem Valmy, nem o 93. A corte vivia em outra dimensão, em outro tempo. Ela atirou no próprio pé, cortou a própria cabeça. Dumas brinca de atribuir ao rei o desenho triangular em diagonal da lâmina de Guilhotin. Originariamente, era em meia-lua, não cortava direito. Luis XVI brincava de serralheria, a rainha de Maria Teresa. O tempo é onde está a maior parte da consciência humana. A corte não se dá conta disso.

o senado

Ontem assisti uma parte dos debates do senado. Fiquei pensando em como podemos gastar tanto dinheiro para sustentar uma casa e indivíduos como aqueles. Para que serve aquilo, senão atravancar o progresso?

terça-feira, 4 de agosto de 2009

A igreja de ontem e os privilégios de sempre











No antigo regime, o clero possuía um quinto das terras do reino. Possuía? Não, era depositário de bens que pertenciam à nação, ao povo. Em verdade não era o clero como um conjunto que detinha esse patrimônio, eram os poucos grandes dentre eles: o alto clero. A revolução, a Assembléia Nacional decidiu vender esses bens como hipoteca para o papel moeda que era lançado - as assignats - para substituir o metal precioso. Michelet, que foi um historiador brilhante, mas parcial, convenhamos, falou um pouco sobre isso na sua História da Revolução Francesa:

"...O arcebispo de Aix, em um discurso choroso, cheio de lamentações infantis, descosidas, perguntou se teriam a coragem de arruinar os pobres, retirando do clero o que lhe foi dado para eles, Arriscou o paradoxo de que a bancarrota se seguiria infalivelmente à operação destinada a evitar a bancarrota. Acusou a Assembleia de ter tocado no espiritual, declarando nulos os votos, etc., etc.
Enfim, chegou a oferecer, em nome do clero, um empréstimo de quatrocentos milhões, hipotecados sobre seus bens."

Um pouco antes, em dezembro de 89, logo após um decreto que destinava os bens do clero à nação, a Assembleia havia decidido outro decreto onde destituía o clero enquanto ordem.

"...Ao que Thouret (um dos deputados) respondeu, com sua fleuma normanda: "Oferece-se em nome de um corpo que não existe mais..." E ainda: "Quando a religião vos enviou ao mundo, disse-vos: 'Ide, prosperai e fazei aquisições?..."

4 de Agosto

Em 1578, El Rei Dom Sebastião desaparece nas areias de Alcácer-Quibir; o império português se desmorona.
Em 1789, há exatos 220 anos, a Assembléia Nacional vota o fim dos privilégios de classe e de província. É o primeiro passo para a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Dá-se início à derrocada dos poderes do clero e da nobreza. A monarquia francesa à beira do abismo.

Sobre a Europa de hoje

A guerra

Essas coisas precisam ser divulgadas. As televisões editam e oferecem versões que atendam a seus interesses. O vídeo do youtube abaixo também é editado, mas quem quiser pode encontrar aqui no Nassif a obra completa. Cada um qu tire sua própria conclusão.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Prorrogando o recesso

Graças à chamada "gripe suína" mais uma semana de descanso.

terça-feira, 28 de julho de 2009

procrastinando

Estou ácido. Vem do estômago.

O alvo certo






















É evidente que a mídia, e aqueles que a controlam, juntamente com a igreja, a indústria bélica e o mercado financeiro são o que existe de mais pernicioso, nefasto e hediondo no planeta. Mas insistir em questionar a mídia é tolice. Procurar cada notícia-zinha mal-intencionada e denunciá-la é meio doentio. Só faz é chamar mais atenção sobre ela, a mídia, e dar-lhe mais força. Penso que esse questionamento deveria ser mais criterioso. Mas existem pessoas que estão jogando suas fichas contra essa estrutura mais no intuito de se alimentarem dessa prática do que propriamente acabar com a mídia golpista. Sem essa mesma mídia essas pessoas não teriam contra quem lutar, não é mesmo? Tem gente (boa gente) que precisa de algo contra que lutar para viver.
É óbvio, também, que o poder dessa mesma mídia vem recrudescendo nos últimos tempos. Carece mais de eliminar o poder da igreja, que é quem mina a autoconfiança das pessoas e as faz acreditar mais em poderes exteriores a elas mesmas.

domingo, 26 de julho de 2009

Kalos kai agathos

O Galo perde para os times "pequenos". O Galo é bom, belo e pratica o bem:
καλός καi αγαθός.
Mas com os grandes é diferente.
O Flamengo que se cuide.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Antígona













Como estou de férias, tenho andado com muitas horas vagas. Decidi ler a Antígona no original. Adoro a audaciosa mocinha! E está sendo na base (para não estressar que não sou tão fanático assim) de uma estrofe por dia. Hoje li a primeira. Um projeto para um ano? Vou tentando fazer minha própria tradução. Não posso, é claro, dispensar as boas traduções. Por enquanto vou sendo luxuosamente auxiliado pelo Poeta Guilherme de Almeida, em uma tradução sua, diretamente do original sofocliano, que é linda e que encontrei na Estante Virtual em forma de libreto para uma peça encenada em 1952 no Teatro Brasileiro de Comédia, em São Paulo, com figuras como Ziembinski, Sérgio Cardoso, Paulo Autran e Cacilda Becker no papel de Antígona. Um libretinho, custou cinco reais e vocês não vão encontrar essa 'transcrição' - como a chamou o poeta - facilmente por aí. Tenho uma outra, do Millôr Fernandes, mas que é feita de alguma edição francesa. Não sei se ajuda esta última ou se atrapalha. De qualquer forma, serve para mostrar que as traduções têm suas diferenças e o melhor mesmo é ler a obra no original. Se não, vejamos a primeira estrofe:

com o Millôr:

Antígona

Ismênia, minha adorada irmã, existe ainda alguma desgraça que Zeus não nos tenha infligido por sermos filhas de Édipo? Tudo quando é doloroso e funesto, tudo quanto é infame e vergonhoso caiu sobre as nossas cabeças sem diminuir a fúria desse deus. Da estirpe orgulhosa e sofrida de Laio, resta só nós duas. E agora, essa proclamação que nosso comandante lançou a toda Tebas. Que sabes dela? Ouviste alguma coisa? Ou ignoras que os que amamos vão ser tratados como inimigos?

com Guilherme de Almeida:

Antígone

Ó meu próprio sangue, Ismene, irmã querida,
que outros males Zeus, da herança infanda de Édipo
há de nos mandar enquanto formos vivas?
Não existe dor, maldição, ignominia,
ou desonra, que eu não tenha visto ainda
figurar no rol dos teus e dos meus males.
E êsse nôvo edito agora proclamado
pelo chefe contra esta cidade inteira?
Não ouviste nada? ou ignoras que bem pode
a amigos ferir o mal feito a inimigos?

A tradução, provisória, e que faço a mais literal possível:

Antígona

Ó tu, pessoa de meu mesmo sangue, Ismene, irmã-zinha,
então, não supões que males mais, dos que vem de Édipo,
trará Zeus a ambas enquanto vivermos?
Pois não há tormenta, maldição, vergonha ou
desonra, espécie alguma de males que eu
não tenha visto desabar sobre as vidas tua e minha.
E agora, novamente, o que dizem do injurioso proclame
feito pelo comandante à toda a cidade?
Diga o que a esse respeito ouvistes !?
Ou ignoras que males feitos aos inimigos
são para os amigos que chegam ?

Como diz o Luciano, é mais para salvar o blog.

PS. Ah, o original:
Ἀντιγόνη
ὦ κοινὸν αὐτάδελφον Ἰσμήνης κάρα,
ἆρ᾽ οἶσθ᾽ ὅ τι Ζεὺς τῶν ἀπ᾽ Οἰδίπου κακῶν
ὁποῖον οὐχὶ νῷν ἔτι ζώσαιν τελεῖ;
οὐδὲν γὰρ οὔτ᾽ ἀλγεινὸν οὔτ᾽ ἄτης ἄτερ
οὔτ᾽ αἰσχρὸν οὔτ᾽ ἄτιμόν ἐσθ᾽, ὁποῖον οὐ 5
τῶν σῶν τε κἀμῶν οὐκ ὄπωπ᾽ ἐγὼ κακῶν.
καὶ νῦν τί τοῦτ᾽ αὖ φασι πανδήμῳ πόλει
κήρυγμα θεῖναι τὸν στρατηγὸν ἀρτίως;
ἔχεις τι κεἰσήκουσας; ἤ σε λανθάνει
πρὸς τοὺς φίλους στείχοντα τῶν ἐχθρῶν κακά;

terça-feira, 21 de julho de 2009

Ai que saco!

Não tenho nada para dizer.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

provérbios gregos e latinos















Τυφλοῦται περὶ τὸ φιλοὺμενον ὁ φιλῶν.

Qui amat, circa rem amatam caecus redditur.

Cega-se aos pés do amor o amante.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Tadinhos

Uma postagem maldosa de quem não tem mais o que fazer nem o que dizer. Mas ontem voltei para casa pela Pedro II, que estava uma zona, com eles desfilando bandeiras e buzinas aos montes. Um, motociclista, passou por mim com uma bandeira amarrada à garupa da moto e deu um nó cego fazendo uma conversão proibida. Deu azar, a bandeira enganchou na árvore do canteiro central e caiu esparramada sobre o esfalto. Pensei: mau sinal...
Tadinhos.

sábado, 4 de julho de 2009

Le Notti Bianche















Um filme belíssimo. Direção de Luchino Visconti. Com Maria Schell, Marcello Mastroanni e Jean Marais. Todo rodado em estúdio. Visconti mandou reconstruir um bairro da cidade de Livorno, inclusive com seus canais, para a filmagem. O cenário e a fotografia (preto e branco) são simplesmente magníficos. O roteiro é baseado no conto homônimo de Dostoievsky: Noites Brancas em português. Todas as cenas são noturnas. O enredo é simples: Mario, homem pobre, recém chegado à cidade de Livorno para trabalho, é triste e, praticamente, só convive com a família do patrão. Em uma noite, em que vaga solitário pelas redondezas, conhece Natalia e se apaixona por ela. Natalia não corresponde ao amor, pois já está enamorada de outro, mas dedica-lhe uma amizade. O outro, a quem Natalia ama, está ausente e a trama toda gira em torno de seu retorno. Enquanto tal não acontece, Mario tenta conquistar Natalia.
Aqui, no blog do Leandro, ele faz uma bela resenha.

Filme de arte, sensível, para almas sensíveis. Altamente recomendado.

Ah velho Fiodor e suas loucas mulheres, como deves ter tu vivido para poderes engendrar tantas Natalias e Nastacias e Aglaias e Grushenkas! Diz-se mesmo que eram todas uma só.

Agora tenho que ler o livro.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Fecho um ciclo de sete anos enfim

Hoje tomei uma atitude que já há anos desejava tomar: exonerei-me do cargo de professor em Contagem. Por enquanto vou segurar as pontas com a escola da tarde em BH. Não estou querendo tecer muitas conjecturas sobre o futuro. Com o tempo vago penso em voltar a pintar. Também quero estudar para algum concurso que valha mais a pena, algum órgão que pague melhor. O que não dava mais era para aguentar o ultraje da prefeita para com a gente. Lá na hora, no balcão do protocolo, onde entrei com o pedido de exoneração, havia outros funcionários indignados. A profissão de professor não oferece muitas perspectivas, mas trabalhar em Contagem oferece menos ainda. Eu não sei aonde tudo isso vai parar, mas não importa. Volto a fazer arte, volto a estudar, passo em outro concurso, sei lá...
Como hoje é São Pedro, faço uma metáfora para mim mesmo de que abro uma porta. Vamos ver para onde ela dá.
O diabo vai ser terminar de pagar o carro.

sábado, 27 de junho de 2009

Depois dos treze, impossíveis.
















Bilitis e as amigas, que hoje só são possíveis até ali por volta dos treze anos, como vejo em minhas alunas. Fosse outrora, seriam núbeis: andam abraçadas ou de mãos dadas entre cochichos e risinhos. Às vezes, quando se encontram, entre uma aula e outra, se abraçam apertado e gritam aquele grito fino, próprio das mulheres, a plenos pulmões, desvairadas. Então caem na gargalhada e se despedem. Eu acho tudo isso maravilhoso.
Depois, os diabinhos do medo e da inveja já invadem e reinam no coração das mulheres.
Uma pena.

O jogo de Ganizes

Como o amássemos ambas, jogamo-lo em ganizes. E foi uma partida memorável. Muitas jovens a ela assistiram.

Minha rival começou pelo lance dos Kyklopes, e eu, pelo de Solon. Ela jogou o Kallibolos, e eu, sentindo-me perdida, supliquei à deusa.

Joguei então o Epiphenon, e ela, o terrível lance de Khios. Eu, o Antiteukhos, e ela, o Trokhias, e eu, o de Afrodite, que ganhou o amante disputado.

Mas, ao vê-la empalidecer, abracei-a pelo pescoço e sussurrei-lhe ao ouvido, para que só ela me ouvisse: "Não chores, minha amiga, deixaremos que ele escolha entre nós".

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Sobre o Jackson

Sobre o Michael Jackson o que me vem primeiro é a deformação. Depois os escândalos, as quantias milionárias. Por fim, os hits dos 80, que curti um pouco, embora nunca tenha sido fã, e as baladas dos 70 que embalaram deliciosas e saudosas horas dançantes: meus primeiros ardores de amor.

sábado, 20 de junho de 2009

O manto púrpura de Eros

Desde já aviso que a postagem só vai interessar aos helenistas ou assemelhados.

] ἔλθοντ' ἐξ ὀρανω πορφυρίαν περθέμενον χλάμυν [

Um fragmento de Safo que traz toda a complexidade da poetisa. A palavra περθέμενον, seria, a princípio, o particípio presente do verbo πέρθω ou περθώ no acusativo masculino singular e que se traduz por destruir e é aplicado, particularmente, em cidades. Destruir ou saquear uma cidade. É uma variante de πορθέω, que se pode traduzir, também, por tomar uma cidade após um cerco. A forma usual do verbo deveria ser περθόμενον, mas o eólico, o dialeto em que a poeta escrevia, frequentemente trocava as vogais, o que explicaria a presença do ε no lugar do o. No entanto, περθέμενον é traduzida pelos helenistas como envolta, envolvida. A tradução da frase toda é esta:

vindo do céu envolto em manto púrpura

O que nos leva ao verbo περιτίθημι, por ao redor, no caso, envolver. Sendo, de fato, uma flexão desse verbo ( e não de περθώ ), περθέμενον, ainda o mesmo particípio, portanto com valor e comportamento de um nome, já traz uma contração maior dos elementos da palavra, no caso, do infinitivo do verbo, onde podemos perceber a supressão do ι final do prefixo περι (que significa, no geral, ao redor, como no português perímetro) e o τι inicial de τίθημι, palavra fundamental e que se traduz por colocar. Verificamos, também, a troca da vogal longa η pela breve ε. Tudo isso é bastante comum no eólico, que se falava em toda a região mais ao norte da Hélade e que os poetas lésbicos ajudaram a fixar.

A complexidade sáfica, a que me referi anteriormente, vem do eterno jogo de palavras. Ora, περθώ também é utilizada, na poesia, como destruir ou matar de amor. Quem mata de amor é Eros, como no Hipólito de Eurípedes:

"Debalde a Grécia, ao pé de Alfeu, ou na ara do loiro Apolo Pítio, vítimas acumula; se não honrarmos a Amor, dos homens senhor altivo, filho da deusa do mar nascida, que tem a chave dos doces tálamos, mas que devasta com triste ruína os que acomete."
ἄλλως ἄλλως παρά τ' Ἀλφεῶι
Φοίβου τ' ἐπὶ Πυθίοις τεράμνοις
βούταν φόνον Ἑλλὰς ἀέξει,
Ἔρωτα δέ, τὸν τύραννον ἀνδρῶν,
τὸν τᾶς Ἀφροδίτας
φιλτάτων θαλάμων κληιδοῦχον, οὐ σεβίζομεν,
πέρθοντα καὶ διὰ πάσας ἱέντα συμφορᾶς
θνατοὺς ὅταν ἔλθηι.
É Eros também que desce do céu envolto em um manto púrpura. A púrpura, corante extraído de moluscos do mesmo nome, era caríssimo e, no império romano, sinônimo das vestes dos césares.

'Destruindo o manto púrpura' não é uma opção possível, mas que Safo faz aí um jogo de palavras não duvidaria.

E há, ainda, o outro jogo, fonético, lindo: πορφυρίαν περθέμενον χλάμυν
porfurían perthémenon chlámun.

domingo, 14 de junho de 2009

Quantos serão picaretas?










































Estes aí são os nossos 81 senadores e senadoras da república. Observem (clique na imagem para ampliar) que Arthur Virgílio-PSDB, Demóstenes Torres-DEM, Eduardo Azeredo-PSDB, Efraim Morais-DEM, Flexa Ribeiro-PSDB, Heráclito Fortes-DEM, José Agripino Maia-DEM, Mão Santa-PMDB, Marco Maciel-DEM e Tasso Jereissati-PSDB têm os mandatos encerrados em 2011. Espero que Deus exista e os impeça à reeleição inspirando o povo a não atirar no próprio pé. Infelizmente, Álvaro Dias-PSDB, Eliseu Resende-DEM, José Sarney-PMDB, Kátia Abreu-DEM e Marconi Perillo-PSDB só terminarão o mandato em 2015; Temos que aguentá-los, portanto, por mais um tempo. Agora, os primeiros relacionados, esses, a gente tem de mandar para casa, não é mesmo?
O melhor era mandar todos para casa e acabar com esse senado de merda que só funciona mesmo é para perpetuar o coronelismo e propiciar à elite a manipulação (sempre negativa, sem propostas e naquela do quanto pior melhor) de uma parte importante no jogo do poder da república. É por isso que estados com modesta expressão como o Piauí influenciam de maneira, às vezes , significativa nos rumos da nação quando elegem, ao mesmo tempo, duas consciências tão atrasadas, perniciosas, reacionárias e negativas quanto os senadores Heráclito Fortes e Mão Santa. Já que ainda temos que ter um senado, espero que nas próximas eleições possamos renová-lo o suficiente (e também a câmara) para podermos sonhar com uma república unicameral por meio da tão sonhada reforma política. Quem sabe...
É triste, nas últimas eleições, termos ainda eleito seis senadores pelo PFL (atual DEM), o partido que sustentou a ditadura na Brasil. Um deles aqui em Minas, Eliseu Resende, o que não me espanta já que é um estado decididamente conservador, tendo em vista a popularidade do governo Aécio. Figuras como Álvaro Dias é outro presente de grego, desta feita dos paranaenses.
Há outros maus senadores que aparecem menos e há os bons também. Gosto da Ideli Salvatti, do Suplicy, do Tião Viana, do Paulo Paim, mas preferia mesmo é que não existisse o senado.

sábado, 13 de junho de 2009

Fidel comenta discurso de Obama

Obama, no Cairo:

''Foi o Islã, em lugares como a Universidade de Al-Azhar, que transportou a tocha do aprendizado durante muitos séculos e preparou o caminho para o Renascimento e o Iluminismo na Europa.''
''... Qualquer ordem mundial que eleve uma nação ou grupo acima das demais inevitavelmente falhará.''
''... Nós rejeitamos a mesma coisa que as pessoas de todas as religiões: o assassinato de homens, mulheres e crianças inocentes''.
''Os estreitos laços dos EUA com Israel são bem conhecidos. Este vínculo é inquebrantável''.
''Por outro lado, também é inegável que o povo palestino, muçulmanos e cristãos, também sofreu na luta por uma pátria. Por mais de sessenta anos, sofreu a dor do deslocamento''.
''Muitos esperam em campos de refugiados, na Cisjordânia, Gaza e de terras vizinhas, por uma vida de paz e segurança que nunca tiveram.''
''... Não deve haver qualquer dúvida: a situação do povo palestino é intolerável. Os EUA não vão dar as costas às legítimas aspirações palestinas à dignidade, oportunidade e um Estado próprio. ''


Fidel, sobre o discurso de Obama:

A maior dificuldade do atual presidente é que os princípios que ele prega estão em contradição com a política seguida pela superpotência americana há quase sete décadas, desde que cessaram os últimos combates da 2ª Guerra Mundial, em agosto de 1945. Faço abstração neste momento das políticas expansionistas e agressivas implementadas face aos povos da América Latina e especialmente a Cuba quando os EUA ainda estavam longe de serem a mais poderosa nação do mundo.

Quando se analisa as guerras promovidas, apoiadas ou realizadas pelo EUA na China, Coreia, Vietnã, Laos, Camboja, entre os milhares que ali morreram muitos eram crianças, mulheres e anciãos.
Os EUA nunca se opuseram à conquista de territórios árabes por Israel, nem protestaram contra os métodos terroristas empregados contra os palestinos. Pelo contrário, criaram ali uma potência nuclear, das mais avançadas do mundo, em pleno coração do território árabe e muçulmano, fazendo do Oriente Médio um dos pontos mais perigosos do planeta.

E Fidel encerra:

Costumo observar com interesse as cerimónias históricas, políticas e religiosas.
O que ocorreu na Universidade de Al-Azhar parecia um quadro irreal. Mesmo o papa Bento XVI teria usado frases mais ecumênicas que Obama. Imaginei por um segundo o piedoso crente muçulmano, católico, cristão ou judeu, ou qualquer outra religião,, a ouvir o presidente no grande salão da Universidade de Al-Azhar. Em algum momento ele não saberia se estava em uma catedral católica, um templo cristão, uma mesquita ou uma sinagoga.
Obama partiu cedo para a Alemanha. Durante três dias visitou pontos de significado político. Participou e falou em todas as celebrações. Visitou museus e reuniu-se com a família, jantou em restaurantes famosos. Tem uma capacidade de trabalho impressionante. Vai levar algum tempo antes de se ver um caso igual.


Extraído do Vermelho .

Ps. Para aumentar e diminuir o texto tecle Ctrl + e Ctrl - juntas.


Provérbios gregos