domingo, 8 de fevereiro de 2009

Um poema

Como a floresta secular, sombria,
Virgem do passo humano e do machado,
Onde apenas, horrendo, ecoa o brado
Do tigre, e cuja agreste ramaria

Não atravessa nunca a luz do dia,
Assim também, da luz do amor privado,
Tinhas o coração ermo e fechado,
Como a floresta secular, sombria...

Hoje, entre os ramos, a canção sonora
Soltam festivamente os passarinhos.
Tinge o cimo das árvores a aurora...

Palpitam flores, estremecem ninhos, . .
E o sol do amor, que não entrava outrora,
Entra dourando a areia dos caminhos.

Olavo Bilac

3 comentários:

  1. Pô...emocionei. Principalmente com esses raios de sol perpassando por aí...

    ResponderExcluir
  2. É só um poema. Os corações continuam ermos e fechados.

    ResponderExcluir

Provérbios gregos